0

DESVENDANDO SEU iMac


Olá pessoal, este primeiro sobre como aprender a mexer no iMac foi meio que clonado de um site muito bom que achei aqui na internet e achei super útil compartilhar com você. Fiz um Ctrl c Ctrl v no assunto da primeira postagem dele, mas quero deixar aqui o crédito e o site para que vocês também entrem caso tenham curiosidade (como eu tive).
Então vamos lá... Quando meu iMac chegou não tinha nem ideia do que fazer, de como usar, não sabia absolutamente nada sobre o sistema operacional Mac OS X Leopard. Foi quando encontrei este pequeno guia que me foi extremamente útil para e entender como tudo funciona.
E, por este motivo, resolvi disponibilizá-lo aqui, e também fazer com que usuários de Pc’s vejam que um Mac é tudo de bom.

Pequeno Guia Para Iniciantes no Mac

Se você é como eu, e penou durante anos com os paus do Windows, esse guia é para você. Aliás esse guia é para todos os novos usuários de Mac, com ou sem experiência anterior com o Windows. Com tópicos de Acentuação á Manutenção, do Dock às Janelas, Instalação e Desinstalação…Portanto siga este passo-a-passo e aproveite ao máximo o seu Mac!

1) Esqueça tudo

Calma. Não leve isto ao pé da letra. Você não precisa esquecer ab-so-lu-ta-men-te tudo o que já sabe sobre computadores. Na verdade, Windows e Mac OS X têm muitas coisas em comum, já que um é cópia do outro – Windows cópia de Mac. O que você tem que esquecer para sempre são a frequência dos problemas, as tarefas de manutenção como instalar anti-vírus ou desfragmentar o disco, os instaladores e desinstaladores, os arquivos temporários… enfim, tudo aquilo que na verdade mais dava dor de cabeça no Windows. E pode esquecer também os vírus, spyware, e afins.

2) Esqueça o botão Maximizar

Janelas são para serem usadas. Especialmente se você tem um monitor grande, como os de 17 ou 20 polegadas dos iMacs. Procure se acostumar a não aumentar as janelas para o tamanho total da tela, já que isso nada mais é do que desperdício de área de tela. Basta você aumentar para o mínimo necessário, como por exemplo a largura do site que você está vendo no Safari ou o tamanho da janela do Word que vai te permitir uma melhor visualização do documento. Além disso, lembre-se que a maioria dos softwares para Mac OS coloca uma série de janelas com ferramentas, independentes da janela do documento principal. Isso é uma grande vantagem, já que elas somem da tela quando você muda para outro aplicativo.
Veja o exemplo do Pages:

Veja como a janela principal – a do documento – não precisa estar maximizada para dar uma excelente visualização. E o texto ali está em caixa 12, relativamente pequeno. E ao lado dela, a caixa de ferramentas e ainda sobra bastante espaço no Desktop. Bastaria pegar, por exemplo, uma foto no Desktop e arrastar para dentro do Word e pronto. Foto inserida.

3) Use e abuse do Desktop

Repetindo: Use e abuse do desktop. Ao contrário do Windows, ele NÃO foi feito para ficar cheio de atalhos para programas desnecessários. Aliás, aconselho a nunca, jamais, colocar atalhos para programas nele. O desktop é bom mesmo como repositório (temporário) de arquivos – aqueles com os quais você está trabalhando no momento e ainda não quer colocar no local definitivo no HD.
E use e abuse mesmo do recurso “Exposé” do Mac OS X. É simples: F11 = suma com todas as janelas e me mostre o desktop. Isso é super útil para abrir o Finder e abrir um novo documento, por exemplo. F10 = só quero ver as janelas do aplicativo ativo (por exemplo, os 2, ou 3 ou mais documentos abertos no Word; ou as 5, 6, 10 fotos abertas no Photoshop). F9 = mostre-me todas as janelas independente do aplicativo. Qualquer que seja o caso, basta clicar na janela desejada e ela vem para a frente de todas as outras. Resumindo: você não precisa ficar clicando no Dock (como fazia na barra do Windows) para trocar entre um aplicativo e outro.

4) Instalando e Desinstalando Softwares

Esta é a parte mais complicada do guia. Portanto leia com muita atenção. Para instalar um aplicativo, arraste-o para onde quiser no HD. Para desinstalar um aplicativo, arraste-o para o lixo. Difícil, não?
Agora vamos falar em outros detalhes que podem ajudar:
Programas Baixados da Internet: estes normalmente vêm em formato DMG. Ou seja, uma “imagem de disco”. Depois de baixar, você vai abrir o DMG e normalmente vai ver o ícone do aplicativo. Basta arrastar o aplicativo para o local adequado no seu HD e pronto. Recomendo deixar todos os programas no lugar que foi feito para eles: o folder Applications no HD. É importante saber como funciona o DMG: quando você o abre, ele “monta” um disco no seu desktop. Após montar a imgem de disco simplesmente o ejete, assim como você faria com uma pendrive.

5) Janela e Aplicativo São Coisas Bem Diferentes

Lembra que no Windows, se você tem por exemplo duas janelas do Internet Explorer abertas, basta fechar as duas e com isso o aplicativo fechou. Bem, aqui no Mac OS X as coisas são um pouco diferentes. Repare no seu Dock: alguns programas têm um  ponto luminoso em baixo deles, certo? Isto significa que eles estão em execução.
Alguns deles, como o Finder e o Dashboard, não adianta tentar fechar pois fazem parte do sistema operacional.
Experimente fechar todas as janelas do Safari. Ei, vai com calma. Coloque esta página nos seus Favoritos para poder voltar depois!
Fechando as janelas do Safari, o tal ponto luminoso continua lá. Isto significa que o aplicativo ainda está em execução. Vantagem: ele vai abrir rápido da próxima vez que você clicar nele no Dock. Desvantagem: ele está consumindo recursos da máquina.
Para fechar o aplicativo de verdade, ative-o (o aplicativo em primeiro plano aparece do lado do menu maçã na parte superior esquerda da tela). Depois, pressione “-Q” no teclado. Q = Quit. Fácil, não? Com isso o ponto luminoso desaparece, o que significa que o aplicativo foi realmente fechado.
E já que estamos falando sobre atalhos de teclado, aqui vão mais alguns muito úteis:
-S = Save
-N = Nova janela (por exemplo nova janela de navegador, ou novo documento em branco no Word. Isso vai variar conforme o aplicativo)-T = novo Tab no Safari. Muito útil- Espaço = abrir a busca pelo Spotlight- TAB = alternar entre aplicativos
Vale lembrar que estes atalhos são os padrões do sistema, e podem ser alterados nas Preferências do Sistema, portanto podem variar na sua máquina.

6) O Dock é Seu Amigo

Vamos começar com uma definição completa do que é o Dock e para que ele serve: o Dock é um lugar onde você pode colocar um monte de coisas. Só isso.

O Dock é dividido em duas partes. Se você olhar mais para a direita, vai ver uma linha vertical que separa essas duas áreas. Tudo que está à esquerda é Aplicativo – e alguns deles têm um ponto luminoso em baixo. Isso significa que esse aplicativo está aberto no momento. Por exemplo, o Finder. Não adianta tentar fechar: o Finder está sempre em execução, já que ele é praticamente a alma do sistema, junto com o Dock. E, do lado direito da linha vertical que divide o Dock, está tudo o que não é Aplicativo: pastas, documentos, janelas minimizadas, a lata de lixo e por aí vai.
Bom, você já deve estar se perguntando: você falou que o Dock serve para colocar um monte de coisas… mas como é que eu coloco alguma coisa no Dock? Mais fácil, impossível: é só pegar o que você quer colocar através do Finder e arrastar para o Dock, lembrando que se for Aplicativo, deve ir do lado esquerdo, e qualquer outra coisa deve ir do lado direito da linha divisória. Repare como os ícones que já estão no Dock se afastam quando você tenta enfiar mais alguém no meio deles.
OK, legal. Mas e se eu nunca uso o iDVD que está no meu Dock e quero sumir com ele? Primeiro, vale lembrar que tirar alguma coisa do Dock, seja aplicativo ou não, ele não vai ser deletado do sistema. Portanto pode experimentar à vontade. Para remover itens do Dock, basta arrancá-los de lá. Puxe com o mouse para cima em direção ao desktop e puff! Aparece uma fumacinha. Hasta la vista, baby.
Não querendo me estender no assunto, mas já o fazendo, vale mais uma dica: por exemplo, quando você coloca um DVD no drive, provavelmente o aplicativo DVD player é ativado, e com isso ele aparece no Dock, mesmo que ele não seja um residente fixo, e isso vale para qualquer aplicativo, como aqueles que você inicia através do Finder. E aplicativo com ponto luminoso não pode ser puxado para fora do Dock. Afinal, como você iria saber que eles estão sendo usados?
E aqui vai mais uma dica: procure realmente deixar o seu Dock enxuto. Aqueles programas que você não utiliza tanto assim estarão sempre lá dentro da pasta Applications. E para facilitar a sua vida, que tal colocar a pasta Applications no Dock? Basta arrastá-la de uma janela do Finder para a área à direita da linha vertical do Dock, e pronto.
Portanto, divirta-se deixando o Dock com os aplicativos e outras coisitas más que você realmente usa, e limpando todo o resto.

7) Manutenção

Sim, como qualquer outro computador, o seu Mac vai precisar de um pouquinho de manutenção.
Primeiro, recomendo executar o Disk Utility do Mac OS X sempre que algum novo software for instalado, ou pelo menos duas vezes por mês. Após iniciar o Utility (ele se encontra em /Applications/Utilities no seu HD), selecione no painel à esquerda o ícone do seu HD e clique no botão “Repair Permissions”. Ele varre o HD e corrige propriedades de arquivos importantes.
Segundo, recomendo a instalação do OnyX. Baixe o seu aqui. O programa é bem simples de usar, bastando seguir as recomendações: Execute-o pelo menos uma vez ao mês, e faça uma limpeza geral no sistema. Mas CUIDADO! O programa não se responsabiliza por danos em seu Mac, eu também não me responsabilizo por possíveis estragos, use-o por sua própria conta, mas só uma coisa: Eu sempre o usei e nunca tive qualquer problema, cumpre o que promete.
Terceiro: não há nenhum terceiro… Com os passos acima você já garante um bom funcionamento do seu Mac por bastante tempo!

8 ) Acentuação

Um problema comum que novos usuários do Mac encontram é como acentuar as palavras em português de forma simples. Para isto, recomendo a instalação de um Layout de Teclado que se chama US International. Com ele, tudo funciona como no Windows, ou seja, se você digita ‘ e depois c, gera um ç, e assim por diante. Com certeza é a solução mais prática.
Faça o download do layout aqui Depois, abra seu Macintosh HD no desktop. Abra a pasta Library e localize a pasta Keyboard Layouts dentro dela. Agora jogue o arquivo do layout de teclado que você baixou dentro de Keyboard Layouts.
Em seguida, reinicie o computador e ative o layout US International em System Preferences – International – Input Menu. Veja foto de como deve ficar. Com a última opção ativada, aparece uma bandeira na barra de menu no topo da tela mostrando qual o layout de teclado em uso.

Site de referência: http://ofastigio.wordpress.com/2008/11/10/pequeno-guia-para-iniciantes-no-mac/

0 comentários:

Postar um comentário